Ultima atualização: 26 de abril de 2020

Como escolhemos

10Produtos analisados

15Horas investidas

4Estudos avaliados

43Comentários coletados

Muito bem-vindo ao Sweetest Home, o site com as melhores análises de produtos de iluminação para sua casa ou negócio. Hoje vamos falar da lâmpada tubular, com todas as suas vantagens e benefícios.

Também muito conhecidas como lâmpadas fluorescentes, esses modelos já ganharam suas versões de LED e sempre se destacaram por seu tamanho, ideais para iluminar ambientes mais amplos. Veja mais em nosso artigo.

Primeiro, o mais importante

  • As lâmpadas tubulares, tanto em suas versões fluorescentes quanto nas de LED, se destacam por economizar energia quando comparadas a outras lâmpadas convencionais.
  • Muitos modelos de lâmpadas tubulares ainda precisam ser ligados a um reator para funcionarem.
  • É possível encontrar lâmpadas tubulares com diferentes temperaturas, o que influencia na cor da luz que você vai obter no ambiente.

Melhores lâmpadas tubulares: Nossas recomendações

Para obter o máximo de eficiência e ainda economizar energia, as lâmpadas tubulares sempre foram muito utilizadas em indústrias e ambientes corporativo, mas mesmo em casa você pode poupar. Veja aqui alguns exemplos:

Guia de compra

À primeira vista, pode parecer fácil escolher uma lâmpada tubular, mas existem vários fatores que podem influenciar sua compra.

Em nosso guia de compra vamos dar informações mais detalhadas sobre o produto, algumas vantagens e desvantagens, dicas de instalação e como poupar energia. Confira!

 Imagem de pessoa realizando a instalação de uma lâmpada tubular

Seguindo as orientações corretas, é muito simples realizar a instalação de uma lâmpada tubular. (Fonte: svershinsky / 123RF.com)

Como instalar e substituir uma lâmpada tubular?

Atualmente é possível encontrar lâmpadas tubulares avulsas, para substituição, ou então aquelas que já vem com suportes e luminárias, o que facilita a instalação, afinal ela já possui os soquetes apropriados, assim como o reator necessário.

Tanto para instalar quanto substituir, o primeiro passo é desligar o disjuntor responsável pela corrente elétrica do ambiente e separar as ferramentas adequadas, como escada, alicate, chave Philips e fita isolante.

Uma vez que você tenha prendido a luminária no local desejado, desencape a ponta dos fios e una-os com ajuda de um alicate. Então, basta enrolá-los com a fita isolante.

Caso o reator não esteja conectado, é preciso repetir esse processo, ligando seus fios aos soquetes. Então, basta colocar as lâmpadas e verificar se elas estão bem presas.

Para realizar a troca é ainda mais simples. Basta desligar o disjuntor para evitar acidentes, retirar a lâmpada do soquete e trocar pela nova. Vale lembrar aqui que as lâmpadas tubulares de LED não precisam de reatores.

Nesse caso, com a ajuda do alicate, corte os fios do reator e retire-o da luminária. Outra boa dica é estar sempre atento ao tamanho da lâmpada e o tipo de soquete utilizado para que o encaixe seja perfeito.

E, caso você não conheça a tensão do local onde a lâmpada será instalada, é bom ter sempre em mãos um bom detector de tensão para evitar acidentes ou queimar as lâmpadas.

foco

Você sabia que as primeiras lâmpadas fluorescentes foram inventadas por Nikola Tesla e chegaram ao mercado em 1938?

Quais as vantagens e desvantagens da lâmpada tubular?

As lâmpadas tubulares se destacam de modelos mais tradicionais principalmente porque elas possuem uma vida útil bem maior. Além disso, elas também contam com diferentes potências e cores de iluminação.

Como você pôde ver, realizar a troca é um processo simples e rápido e você ainda pode poupar de 50 a 70% em sua conta de energia.

No entanto, existem algumas desvantagens. As lâmpadas tubulares fluorescentes possuem metais pesados em sua composição, então é preciso tomar cuidado com a manipulação e descarte.

E, apesar das lâmpadas de LED já dispensarem a utilização, as fluorescentes ainda precisam de reatores para deixar a iluminação mais uniforme e evitar a queima.

Vantagens
  • Elas possuem diferentes potências e cores de iluminação
  • A vida útil de lâmpadas fluorescentes e LED são bem maiores
  • Realizar a troca é um processo simples e rápido
  • Você pode poupar de 50 a 70% de energia
Desvantagens
  • As lâmpadas fluorescentes possuem metais pesados
  • Algumas lâmpadas precisam de reatores

Quais os diferentes tipos de lâmpadas tubulares?

Existem três tipos principais de lâmpadas tubulares disponíveis no mercado. A mais comum delas é a T5, que são menores e excelentes para utilização residencial. Além de poupar energia, elas estão entre os modelos mais baratos.

Um pouco maiores, as T8 são ótimas para ambientes corporativos, como escritórios. Elas oferecem uma iluminação mais uniforme e podem ser encontradas em uma faixa de preço intermediária.

Já o modelo HO é se destaca por seu tamanho, com lâmpadas de 240 cm, ótimas para hospitais e fábricas. Infelizmente, o tamanho acaba encarecendo um pouco o produto.

T5 T8 HO
Indicação de uso Utilização residencial Ótimo para ambientes corporativos Hospitais e fábricas
Benefícios Ajudam a poupar energia Oferecem uma iluminação mais uniforme São lâmpadas bem maiores, com 240 cm
Preço São as mais baratas do mercado Estão em uma faixa de preço intermediária O tamanho deixa essas lâmpadas um pouco mais caras

Qual a lâmpada tubular que mais economiza energia?

Quando comparamos as lâmpadas tubulares fluorescentes a outros modelos, como as incandescentes, as diferenças já são notáveis, tanto em potência quanto em economia de energia.

E, embora seu reinado tenha sido longo, a tecnologia LED mudou tudo, com alguns modelos oferecendo até 70% de economia e uma vida útil bem maior, tornando-a de longe a melhor opção, mesmo custando um pouco mais caro.

As lâmpadas tubulares de LED têm tudo para se estabelecer no mercado e aposentar de vez os modelos fluorescentes, mas até mesmo elas estão ameaçadas.

O OLED, por exemplo, promete uma economia ainda maior de energia, oferecendo mais uniformidade e potência de iluminação. Como você pode ver, o futuro da iluminação é bastante promissor.

 Imagem de lâmpadas tubulares com suportes metálicos estilizados

As lâmpadas de LED também se destacam por não utilizar metais pesados, como chumbo e mercúrio. (Fonte: MAKY_OREL/ Pixabay.com)

Critérios de compra: O que observar antes de comprar uma lâmpada tubular

Ao longo de nossa análise você pôde constatar que as lâmpadas tubulares possuem várias vantagens, principalmente quando se trata de economia de energia.

Mas, com tantos modelos disponíveis, você ainda precisa estar atento a alguns fatores antes de realizar a compra. Veja aqui os pontos mais importantes que você deve levar em conta:

Depois de ler com atenção cada um dos tópicos, você estará pronto para escolher qual a lâmpada tubular mais se encaixa em suas necessidades e ver sua conta de luz diminuir consideravelmente.

Tamanho

A primeira coisa que você deve observar antes de comprar uma lâmpada tubular é o tamanho e área que você tem disponível para instalação e do ambiente que você deseja iluminar.

Hoje, você pode encontrá-las em três tamanhos: 60, 120 e 240 centímetros. Caso você já tenha um suporte ou luminária, verifique o tamanho e compatibilidade não errar ao realizar a compra.

E, embora o tamanho ajude a aumentar a área iluminada, existem outros fatores que influenciam na cor e potência da lâmpada, o que você verá no próximo tópico.

 Imagem de quatro lâmpadas tubulares em suporte metálico com sensor de movimento

Para economizar ainda mais energia, você pode colocar um sensor de movimento para que as lâmpadas tubulares só se acendam quando necessário. (Fonte: Erik Christensen/ Unsplash.com)

Potência

A potência das lâmpadas tubulares é medida em watts e pode variar de 15 a 200. Quanto maior a potência, maior será o fluxo e a eficiência luminosa, então é importante estar atento antes de realizar a compra.

Quanto maior for a potência, maior será o gasto energético.

Para ambientes residenciais, por exemplo, com cômodos menores, não há problemas escolher lâmpadas com menor potência. Agora, para ambientes corporativos, vale a pena investir em modelos mais potentes.

Aqui também vale lembrar que quanto maior for a potência, maior será o gasto energético, então fique atento.

Suporte

Além de manterem as lâmpadas tubulares bem presas e seguras, uma boa luminária pode fazer toa a diferença. No caso das lâmpadas fluorescentes, por exemplos, a luminária também ajuda a esconder e proteger o reator.

E aqui há uma gama enorme de opções estéticas para combinar com o ambiente onde a lâmpada será instalada, permitindo até mesmo a instalação de várias unidades de uma só vez.

A dica aqui é ficar atento o tipo de soquete presente na luminária e o seu tamanho, o que vai determinar qual modelo de lâmpada será utilizado. Alguns suportes ainda contam com uma superfície espelhada que ajuda a distribuir melhor a luminosidade.

 Imagem de duas lâmpadas tubulares em suporte metálico com proteção de plástico em um túnel

Lembre-se sempre de manter as luminárias bem limpas para que a luminosidade não seja prejudicada. (Fonte: KostkaCZ/ Pixabay.com)

Vida útil

A vida útil se refere a média de quanto a lâmpada tubular vai funcionar. Os fabricantes medem esse tempo em horas, e isso pode variar muito de um modelo para o outro.

As lâmpadas fluorescentes, por exemplo, têm uma vida útil que varia de 7500 a 12000 horas. Já as lâmpadas LED se destacam por oferecerem modelos que chegam a 15000.

É claro, essa é apenas uma estimativa, então lembre-se sempre de conferir as especificações do fabricante e recomendações de utilização para que elas durem por mais tempo.

Cor da luz

É extremamente importante estar atento a qual tipo de cor de iluminação se encaixa melhor com cada ambiente. Em fábricas e escritórios, por exemplo, onde você quer atenção total de seus funcionários, o mais indicado são as lâmpadas de luz branca fria.

Para locais onde é necessária uma luz mais intimista, você pode optar por cores mais quentes e neutras, que dão um ar mais acolhedor e sofisticado.

A cor da lâmpada é indicada por temperatura Kelvin. As brancas frias variam de 6000 a 7000K, enquanto as quentes ficam entre 2700 e 3500K. Se optar por um modelo neutro, o ideal é que ela fique próximo aos 4000K.

Você pode encontrar essa informação na descrição do produto, então fique de olho e escolha qual a melhor opção para criar o clima certo em cada ambiente, seja em sua casa ou em seu negócio.

(Fonte da imagem destacada: StockSnap / Pixabay.com)

Por que você pode confiar em mim?

Redatora e psicóloga, é uma entusiasta de gadgets, jogos e utilidades. Adora escrever e experimentar inovações que podem tornar a vida mais prática.